segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

CARNAVAL DA PEGAÇÃO GERAL TOTAL E IRRESTRITA

 
Em pleno carnaval, não dá pra deixar de observar a postura coletiva de “tudo pode”. Tudo o que? TUDO! Pode beber, pode usar droga, pode viver aventuras sexuais de todo tipo, pode experimentar um parceiro, dois, muitos, beijar quem “lhe der na telha”, exagerar na exposição do corpo, adotar uma postura que jamais teria. Homem “liberando” geral e mulher “dando” geral, num quadro de pegação total e irrestrita. 
 
Mas quem disse que pode?
 
O inconsciente coletivo vem dizendo há décadas.
 
Salvo engano (e posso mesmo estar enganada, porque não pesquisei), uma festa cristã que servia como preparação para o longo jejum em função da quaresma, transformou-se numa orgia coletiva. Observe: se o jejum seria longo (40 dias), na pré-quaresma (hoje carnaval) comia-se fartamente para PREPARAR-SE para o período de restrições (era necessário estar nutrido para suportar). Mas com o tempo, passou-se a comer fartamente para COMPENSAR a perda que adviria (Putz... 40 dias! “Vamo detoná!”). Evoluiu-se para a diversão exacerbada, já que a quaresma guarda um respeito cristão e divertir-se nesse período seria condenável (Véio... 40 dias sem comer, dançar, chapar... Solta o som DJ!).
 
Primeiro a preparação, depois a compensação e, mais tarde, a diversão.
 
Eis que se chegou à “operação f@dª-se”. Ninguém mais se lembra do que motivou o carnaval, só se sabe que as máscaras e fantasias estão aí para quem quiser se camuflar.
 
Mas quem não quiser camuflagem, fique à vontade – diz o inconsciente coletivo – você é livre, pode tudo, pode mais, faça! Use camisinha, mas se não usar, tudo bem também! Afinal, chapado, zuado, louco, quem é que consegue colocar um preservativo? Quando vê (se é que vê), já foi! E aproveite para experimentar todos os tipos de sexo, com todos os tipos de pessoas porque na semana que vem a rotina chata e vazia volta e sua chance se foi. Toda essa fartura, só no próximo ano!
 
Até aqui, sem críticas. Estamos constatando fatos. Com consequências, mas apenas fatos.
 
Como “consequências”, não me refiro à gravidez indesejada, tampouco às doenças sexualmente transmissíveis. Isso todo mundo já sabe e subestima fortemente. Refiro-me aos desequilíbrios que compõem o pano de fundo da grandiosa festa do carnaval. Uma triste realidade de pessoas que buscam desesperadamente uma experiência mágica. Sabem que o sexo guarda sensações indescritíveis e fazem qualquer coisa para encontra-las. Mas não encontram... Sentem umas coisas loucas e estranhas, umas descargas de adrenalina, uma euforia, mas que nem de longe se aproxima da magia que se imagina.
 
Vive-se um cio permanente que, extrapolado pela permissividade coletiva, só faz aumentar a sede pela satisfação sexual que nunca vem. A busca é intensa, a experimentação é excessiva, mas de real mesmo, apenas o exaurimento. Magia e saciedade que é bom... NADA!
 
É tão pesado e dolorido que não dá para explicar neste post qual a magia. Já falei sobre ela e recomendo a leitura dos outros textos. Neste momento, apenas registro meu profundo respeito pela ignorância que assola uma nação. Dirijo-me especialmente às mulheres. Foram tantas amarras, surras, humilhações e fogueiras que a postura carnavalesca feminina torna-se perfeitamente compreensível. Difícil de aceitar e necessário combater essa ignorância, mas compreender sua origem é função.
 
Há poucas décadas mulheres morriam ao tentar manifestar sua energia sexual e suas convicções pessoais. A resposta dessas mulheres, através de suas herdeiras, ainda que num quadro de desvalorização do eu, está diante dos olhos do mundo e todos podem ver que a liberdade delas chegou.
 
Na absoluta contramão de tudo isso está uma gota de consciência que tenta se espalhar através de um grupo e alguns livros. Torna-se robusta a cada evento, aumenta e se fortalece no coração de algumas mulheres que ouvem atentamente uma informação que, se lhes toca e se aproxima da verdade pessoal de cada uma, torna-se fonte tênue de alívio e compreensão de si mesmas.
 
Da minha parte, compartilho: é lindo vê-las se compreendendo e se resgatando a partir das próprias forças.
 
A informação é comum a todas e óbvia, mas as avós nunca ouviram e, assim, nunca disseram para as mães que, sem saber, não contaram para as filhas.
 
Mas de alguma forma hoje falamos, discutimos, compartilhamos. De alguma forma, várias mulheres estão encontrando respostas. Não sei como, palestras vêm acontecendo e passei a poder falar pessoalmente, olhando para quem recebe a informação.
 
Não imaginava que seria assim...
 
Agradeço profundamente porque tentando ensinar, aprendo!
 
Imagem Gettyimages

0 comentários:

Postar um comentário

Comentários são muito bem vindos! Esclarecimento pressupõe dúvida. Manifeste a sua ou apenas deixe uma contribuição. Todos os comentários passam por moderação. Somente serão publicados os de conteúdo apropriado e desde que não tratem de assuntos pessoais.

 
Powered by Blogger